Donos de fazendas baianas aparecem em lista de empregadores autuados por escravizar funcionários

Segunda / 23 Out 2017 / 10h00



A última semana foi marcada por uma polêmica após mudanças realizadas pelo Ministério do Trabalho nas regras para o resgate de trabalhadores escravizados através de uma portaria. O governo federal não publicizou oficialmente a lista.  As novas regras restringiram o acesso à chamada “lista suja”, o cadastro de empregadores autuados por escravizar trabalhadores. Agora, a lista só será divulgada por determinação expressa do ministro do Trabalho.Cinco fazendas baianas aparecem na lista. Segundo a relação, a Fazenda Flor da Esperança, em São Desiderio, possui nove trabalhadores submetidos a condições análogas à de escravo. Na mesma cidade, ainda tem a Fazenda Guarani, com 44 trabalhadores, e a Fazenda Novos Tempos I, com 10 trabalhadores. Além disso, também integram a lista a Fazenda Barcelona, em Cristópolis, com sete trabalhadores nas mesmas condições, a Fazenda MF-1, com 33 empregados, e uma construção de casas populares, no assentamento VILA PA, na zona rural de Santa Rita de Cássia, com seis trabalhadores.