Colunista
Nonato Lobo

Família de espanhol desaparecido na Chapada Diamantina pede quebra de sigilo telefônico

Sexta / 29 Jul 2016 / 15h00



Familiares do espanhol Hugo Ferrara Tormo, que desapareceu na Bahia em dezembro do ano passado, pedem a quebra do sigilo telefônico do turista de 27 anos. "Isso nos daria certeza se ele saiu ou não do Parque [da Chapada Diamantina]", diz a irmã Paola Ferrara sobre o lugar onde o rapaz foi visto pela última vez antes de sumir. Segundo a irmã, que está em Salvador, a família vive uma angústia em busca de novidades. "Se ele está vivo, aceito ele, quero ele com toda decisão que ele tomou. Se ele morreu dentro do parque, então, faço o apelo para as pessoas que podem ajudar, sobretudo na quebra do sigilo telefônico e na disponibilidade de cachorros para a procuras", desabafou. O pai, Giovanni Ferrara, diz que vive a angústia de não saber o que aconteceu com o filho. "A esperança é a última que morre. Não temos certeza nenhuma e, portanto, todos os caminhos estão abertos. Esses sete meses têm sido difíceis para a família, visto que não é fácil aceitar um desaparecimento sem resultados e temos vivido entre a angústia e a esperança", conta. O caso está sendo investigado pela Polícia Civil de Seabra, município da região da Chapada Diamantina. Como Hugo Ferrara é estrangeiro, a Interpol e Polícia Federal também estão envolvidas nas buscas. A reportagem procurou saber se houve a quebra do sigilo telefônico do celular de Hugo, mas o delegado que investiga o caso está de férias. A Polícia Civil de Seabra destacou apenas que vai mandar um ofício para o Corpo de Bombeiros de Feira de Santana pedindo ajuda nas buscas com cães farejadores.